4 dicas para conquistar a independência financeira

Tempo de leitura

4 min

Tamanho da fonte

Aa

Aa

Aa

Avaliar as despesas, renda extra, plano de ação e planejamento financeiro estão entre as orientações

Para quem deseja conquistar a independência financeira é importante começar a pensar na construção de um patrimônio. Afinal, muitos querem um futuro calmo e confortável, quando se trata de dinheiro. 

A organização é o segredo para dar passos firmes em direção a realização desse objetivo. Abaixo, confira quatro dicas para quem quer começar desde cedo a conquistar seu patrimônio. 

1) Analise suas despesas

A primeira dica para conquistar a independência financeira está relacionada em listar todas as suas despesas: o que é e o que não é necessário. Algumas perguntas devem ser feitas, como: No que é possível economizar? O que pode ser eliminado? Como posso controlar melhor esses gastos? 

Periodicamente, uma vez por ano, o ideal é reservar uma data na agenda para renegociar tais despesas, como por exemplo: 

Aluguel: avalie se o lugar que você mora está de fato em boas condições, em relação ao preço, quando comparado a outras opções no mercado imobiliário.

Plano de internet e celular: serviços como estes mudam de preço periodicamente pelas operadoras, principalmente para atrair novos clientes, e os clientes mais antigos que não negociam acabam ficando com preços  desatualizados e até mesmo mais caros. 

TV à cabo: na maioria das vezes é comum que as pessoas, por impulso, contratem o plano “completo”, e normalmente o plano não é utilizado em sua totalidade, o que gera uma despesa adicional que poderia ser evitada. 

Convênio: assim como a linha de celular, há inúmeros planos de saúde, que devem ser vistos com atenção, pois existem diversas formas de contratação e variáveis, consulte um profissional de sua confiança. 

Cartão de crédito e anuidades: é um mecanismo que pode ajudar e trazer vários benefícios, mas se não tiver um controle efetivo pode ocasionar problemas. O ideal é buscar por opções de cartão de crédito sem anuidade, porque esse dinheiro é praticamente jogado fora. 

Alguns cartões costumam oferecer milhas, nesses casos é recomendado escolher por opções que as milhas não vencem, ou por aqueles que oferecem cashback, como o cartão da XP Investimentos que vai até 10%. 

Seja um membro VIp da plataforma iHUB Lounge e tenha acesso a conteúdos exclusivos e gratuitos. Faça o seu cadastro clicando aqui.

Em um exemplo prático, considere que Pedro tem os seguintes custos hipotéticos: 

  • Plano de internet e TV: R$350,00;
  • Plano de celular: R$300,00;
  • Plano de saúde: R$700,00;
  • Aluguel: R$3.500,00;
  • Anuidade cartão: R$400 por ano/ R$33,33 por mês.

Total: R$4.883,00 por mês e R$58.600,00 por ano.

Após negociar estes itens, Pedro passou a ter as seguintes despesas:

  • Plano de internet e TV: R$150,00
  • Plano de celular: R$120,00
  • Plano de saúde: R$400,00
  • Aluguel: R$3.000,00
  • Anuidade cartão: R$0 por ano. 

Total: R$ 3.670,00/mês e R$ 44.040/ano.

Portanto, ele tem uma diferença mensal de R$1. 213,33 e anual de R$14.560.

Agora, um exemplo prático ilustrativo, se Pedro investir o valor anual de R$14.560,00 em um título de renda fixa pré fixado que rende juros (compostos) de 12% a.a., a um prazo de cinco anos, por exemplo, ao final se terá um montante de R$25.659,69.  

Em um prazo mais longo, imagine que foi acumulado os R$14.560,00, durante 10 anos, e teve um valor inicial para investir de R$145.600,00 e investiu este recurso no mesmo título de renda fixa pré fixado, ao final de 5 anos acumularia o montante de R$256.596,95, e ao final de 10 anos teria acumulado R$452.211,50, isso somente com a redução das despesas.  

Vale ressaltar que nesses exemplos não estão sendo considerados os eventuais aportes mensais e os efeitos ainda maiores que isso contribuiria para maior acúmulo e retorno, nem o imposto de renda sobre o lucro que será apurado no momento do resgate ou no final do prazo de aplicação. 

Em qualquer situação, entender qual é o seu perfil de investidor é a melhor saída, e com base nisso, escolher os investimentos que estejam adequados ao seu perfil e aos seus objetivos a fim de conquistar a independência financeira. 

2) Planejamento financeiro 

É uma situação comum as pessoas falarem “Olha eu ganho bem, mas não sei onde vai parar o meu dinheiro, ele entra e quando vou ver já saiu, acabou tudo. Em alguns meses, acaba saindo mais dinheiro do que entrando, consomem minhas reservas ou fico endividado”.

Depois de ter listado todas as despesas e entender para onde exatamente o dinheiro está indo, o ideal é fazer um planejamento e controle das suas receitas e despesas. Um planejamento requer, entre outras coisas, dedicação e hábito, e ambas habilidades qualquer pessoa tem. 

Leia também: Como fazer um planejamento financeiro?

3) Aumentar a renda

Muitas pessoas se preocupam com as despesas, mas acabam esquecendo das receitas. Tenha sempre em mente como objetivo também aumentar a sua renda. Responder a seguinte pergunta será importante para criar um planejamento para aumentar a renda: O que você precisa para ter mais renda? Investir na pós-graduação, aperfeiçoar o inglês, desenvolver soft skills, são alguns exemplos.  

4) Plano de ação e hábito

Um bom ponto de partida é constituir um fundo de reserva, dinheiro de curto prazo, ou seja, normalmente, algo entre seis a dez vezes o seu custo de vida. Esse recurso normalmente vai ser investido priorizando liquidez e não necessariamente retorno, pois esse dinheiro é para cobrir situações e necessidades de curto prazo.

Em seguida, procure destinar todos os meses um percentual mínimo e máximo da sua renda para os seus investimentos, como, de 20% a 50% da renda mensal. Quanto maior o valor poupado e investido, maior será o montante e a tranquilidade no futuro.

Para ilustrar esse cenário, confira, abaixo, exemplos de planejamento de investimentos a médio e longo prazo: 

Fonte: iHUB Investimentos 

É possível observar que quanto maior os aportes mensais, maior o retorno e maior o tempo das suas aplicações maior será o valor acumulado no futuro. 

Por isso, criar o hábito de “pagar o boleto” dos seus investimentos, assim como pagar o boleto do seu cartão de crédito, por exemplo, é muito importante para começar a construir um patrimônio e um futuro tranquilo.

 *Este conteúdo teve a contribuição do assessor de investimentos da iHUB, Breno Giacomini. 

Ficou interessado (a) em começar a construir sua independência financeira? Converse com um de nossos especialistas, iremos te ajudar a dar os primeiros passos em direção a esse sonho, basta preencher o formulário abaixo.